Categorias: Curiosidades

Como está o market share dos navegadores?

Alguns anos atrás era comum vermos constantes abordagens sobre a guerra dos navegadores, pois o primeiro e segundo lugar ficavam em constante mudança ou disputa acirrada entre as opções existentes. Por muitos anos o Internet Explorer fora o líder e o Firefox ficava sempre em sua cola, pronto para tomar o lugar, depois chegou o Chrome e por algum tempo, IE, Chrome e Firefox brigaram pelo podium.

Mas com o tempo o Google Chrome foi engolindo mais e mais espaço, até que, basicamente, mais nenhum concorrente conseguiu ferir sua posição de liderança. Mas afinal, como está o market share dos navegadores?

Segundo a statcounter, o Chrome manteve no último ano a confortável posição de primeiro lugar com 58% do mercado mundial, uma diferença gigantesca contra seus concorrentes, já que o segundo lugar fica para o Safari com 13% de participação.

Source: StatCounter Global Stats – Browser Market Share

E pior, apesar de nos últimos 12 meses a situação não ter grandes mudanças, o Google Chrome vem crescendo pouco a pouco e aproximando-se dos 60%, enquanto o Safari da Apple tem perdido espaço, em junho de 2017 ele detinha 14,39%, a queda de mais de 1% aconteceu pouco a pouco em cada mês.

Em terceiro lugar, talvez para a surpresa de muitos, está o UC Browser com 7,46% do market share mundial, seguido do Firefox com 5,17% e o Opera com 3,5%, inclusive noticiamos recentemente aqui que mesmo o Opera ao longo de sua vida, não ter conseguido estar entre os primeiros, a percentagem de mercado que ele mantêm já é o suficiente para a empresa apresentar uma considerável receita e lucros ao final.

Agora o ponto talvez mais interessante de todas as informações coletadas, seja a participação do Microsoft Edge, após 3 anos de seu lançamento, o navegador da Microsoft não conseguiu ter recuperar espaço e, mesmo somado a sua versão mobile para Android, o Edge detêm apenas 1,89% do market share, perdendo para o novato Samsung Browser que possui 2,86% do mercado e até para o já descontinuado Internet Explorer que ainda possui 3,12% dos clientes em todo o mundo.

E no Brasil?

No Brasil as percentagens mudam, mas as colocações são quase as mesmas, o Google Chrome continua sendo líder, mas com quase total dominância, tendo 81,56% dos usuários que utilizam a internet, seguido pelo Safari com 5,07%, Firefox com 5,04% e Opera com 1,91%.

Interessante destacar que o UC Browser, que mantêm o terceiro lugar no mercado mundial, no cenário brasileiro está em ultimo colocado, com 0,5% de market share. O Edge não tem mudança relevante e continua sendo apenas 1,41% dos clientes brasileiros, em compensação passa o Internet Explorer.

E você quais os navegadores que costuma utilizar?

Disqus Comments Loading...
Compartilhar

Matérias Recentes

2,8 bilhões em fraudes evitadas com avaliação de risco de e-mails

Para combater o crescimento do número de tentativas de fraudes online, que têm custado bilhões de dólares às companhias anualmente,… Leia mais

6 horas ago

Cartão de crédito Méliuz – Cashback em todas as compras – Vale a pena?

Já faz algum tempo que o Méliuz, serviço de cashback em compras, se quer saber mais sobre ele clique aqui,… Leia mais

1 dia ago

Ame Digital – A evolução da conta digital da Americanas e Submarino

O Ame nasceu como uma solução própria do grupo B2W, responsável pela Americanas, Shoptime, Submarino e Sou Barato, para fidelização… Leia mais

2 dias ago

Alfred – O aplicativo para fãs de cinema

Alfred é uma rede social para aqueles que são fãs de cinema, controlado e desenvolvido pela FlixMedia, sua proposta é… Leia mais

3 dias ago

O Que Todo Mundo Precisa Saber sobre Segurança no Linux

Muitas pessoas consideram os sistemas Linux como sendo mais seguros e, em alguns casos, até mesmo “imunes” aos principais vírus… Leia mais

2 semanas ago

C6 Bank – Vale a pena usar o rival do Nubank?

C6 Bank é a nova fintech que pretende concorrer com Inter, Nubank, Neon e outros players o mercado de banco… Leia mais

2 semanas ago

Utilizamos de cookies e outras tecnologias, para personalizarmos os conteúdos e a publicidade, oferecermos os botões sociais e analisar o tráfego