Categorias: News

Linux App Store – Uma loja para todos governar

Os formatos universais tem se popularizado nas distribuições Linux, apesar de existirem dois formatos concorrentes, o Snap e Flatpak, além do AppImage que tem uma proposta um tanto quanto diferenciada (Funcionando como aplicações portáteis), independente de qual deles você use, eles funcionarão em sua distribuição Linux, seja Ubuntu, Fedora, Magento, Debian e assim por diante.

Visto que qualquer um dos três funcionam normalmente, qual o maior problema desta segmentação em pacotes universais? Cada formato tem seu própria acervo e para que todos eles sejam exibidos para o usuário, a loja de aplicativos da distribuição precisa estar consumindo seus repositórios.

Porém apenas a Muon Discovery do KDE vem com suporte nativo para os três formatos, bastando o usuário ir nas configurações da loja e optar pela exibição ou não deles. A Ubuntu Software, apesar de nativamente dar suporte ao Snap, com uma rápida configuração, a qual já ensinamos no Linux Centro, basta clicar aqui para conferir, torna-se capaz de exibir tanto o Snap, como o Flatpak.

Já outras soluções, como a loja de aplicativos do Deepin ou a do Linux Mint, não dão esse tipo de opção e o usuário acaba tendo que consumir o formato que a distro considera oficial.

Pensando em tudo isso, surgiu um projeto chamado Linux App Store, a idéia do desenvolvedor é ter uma loja universal, compatível com os três formatos, com um visual moderno e utilizando tecnologias web.

A Linux App Store inclusive já ganhou sua primeira versão, funcionando de forma online e apostando no Material Design para seu visual..

Por hora a loja apenas é capaz de exibir e efetuar pesquisas de softwares nos três formatos universais, AppImage, Flatpak e Snap.

Não existe um menu de categorias e também não há possibilidade de instalação por ela, ao clicar no software desejado, você é encaminhado para a respectiva loja do formato.

Visual do primeiro release da Linux App Store


Porém o desenvolvedor já tem seu roadmap pronto e os próximos passos, segundo informado no GitHub, é criar o cliente desktop da Linux App Store e tornar a loja capaz de efetuar as instalações, sem direcionar o usuário para outro lugar.

Não é a primeira vez que os usuários recebem projetos de lojas alternativas, o AppGrid é uma loja alternativa para o Ubuntu, porém compatível apenas com os repositórios tradicionais. A idéia da Linux App Store é simplificar e tornar de fácil acesso para todos, o uso de qualquer um dos formatos universais.

Considerando que os três formatos são compatíveis, com basicamente todas as distribuições Linux, a proposta é mais do que bem vinda e deveria ser algo já nativo nas distros.

Agora apenas nos resta aguardar a evolução do projeto e torcer para que as expectativas sejam atendidas.

Disqus Comments Loading...
Compartilhar

Matérias Recentes

Baidu apresenta perdas financeiras no primeiro trimestre de 2019

A Baidu não vive um bom momento, após ter tentado ser a Google da China e enxurrar o mercado com… Leia mais

2 horas ago

Spotify oferece 3 meses por valor único de R$1,99

Para quem utiliza outro serviço ou usa apenas a versão gratuita do Spotify, a mais recente promoção tem como o… Leia mais

2 dias ago

Hulu – Disney terá o controle total do serviço de streaming

Em um novo movimento, a Disney prepara-se para tornar única proprietária do serviço de streaming Hulu. (mais…) Leia mais

3 dias ago

Como instalar aplicações Linux no Chrome OS e Cloud Ready

O Chrome OS vem evoluindo e saindo daquele nicho de sistema para “netbooks” em prol de tornar-se um sistema “híbrido”… Leia mais

4 dias ago

O Linux estava certo e a Microsoft percebeu

Não é muito difícil vermos pessoas que, ou por não gostar, ou por não terem contato, rotularem as distribuições Linux… Leia mais

1 semana ago

Rappi – Nossa experiência com o aplicativos de entrega

O Rappi é uma startup colombiana com o propósito de entregar de tudo, atualmente é uma das mais relevantes neste… Leia mais

2 semanas ago

Utilizamos de cookies e outras tecnologias, para personalizarmos os conteúdos e a publicidade, oferecermos os botões sociais e analisar o tráfego