Categorias: News

Hulu – Disney terá o controle total do serviço de streaming

Em um novo movimento, a Disney prepara-se para tornar única proprietária do serviço de streaming Hulu.

Para quem não conhece, o Hulu é um dos concorrentes em potencial para a Netflix, sendo uma joint-venture da Comcast, Disney e Fox. O serviço possui 25 milhões e apresentou uma receita de US$ 1,5 bilhões de dólares em 2018. Porém estes números o colocam bem atrás da Netflix, que até ano passado tinha 137 milhões de usuários e do Amazon Prime, que possui atualmente, 100 milhões de assinantes.

Após a Disney ter adquirido a Fox, passou a ser sócia majoritária do Hulu, agora, em um acordo com a Comcast, todas as ações serão vendidas para a Disney, até 2024. Este tipo de contrato, denomina-se “put/call” e não prevê valores iniciais, apenas que a venda ocorrerá até o final do período estipulado, uma forma de impedir que outros interessados efetuem a compra, antes da empresa interessada e que haja tempo para as envolvidas organizarem-se.

A transação também é de interesse da Comcast, que tem movimentado-se para criar seu próprio serviço de streaming e o contrato feito, retira a exclusividade de seu conteúdo, desta forma a empresa pretende levar conteúdos de suas subsidiárias como a NBC Universal e DreamWorks para uma plataforma própria (Apesar de não termos informações oficiais de como ficará o conteúdo da Comcast no Hulu, após a aquisição definitiva por parte da Disney, é totalmente cabível especular que ele será retirado e oferecido de forma exclusiva na plataforma da própria Comcast).

Interface Hulu 2019 como parte da revitalização da plataforma
Reprodução Imagem: cordcuttersnews.com

Para a Disney este é outro movimento importante, após a aquisição da Fox, visto que a empresa enfrentava um dilema com as produções adultas que estão em seu portfólio e aumentaram com a chegada do Fx para a família do Mickey Mouse, já é de conhecimento que o serviço Disney +, manterá conteúdo para família, envolvendo marcas como Marvel, Pixar, Disney Channel e filmes e animações da própria Disney, o que deixava sem casa as produções da Fox e FX (Apesar da Fox já possuir um serviço de streaming, sem informações sobre seu futuro).

O mais provável é que os próximos movimentos da Disney, seja focar-se em duas plataformas distintas, o Hulu e Disney +, sendo o primeiro totalmente focado em produções de classificação indicativa 18+. E visto o vasto império televisivo e cinematográfico da Disney, não é muito difícil de imaginar que conteúdo não faltará para as plataformas. A pergunta que fica é como será a briga entre Disney, Netflix e Amazon, os três players que possuem maior relevância neste mercado.

Fonte: The Verge

Disqus Comments Loading...
Compartilhar

Matérias Recentes

Base notebook refrigeradora NBC50 da C3Tech – Vale a pena?

Para quem utiliza notebook em sua dia a dia, uma base é bem vinda para coloca-lo em uma posição adequada… Leia mais

17 horas ago

Kemp Technologies é selecionada parceira Dell EMC

A Kemp Technologies, anunciou sua validação como parceira Dell EMC. A Kemp vai acelerar a distribuição de implementações da plataforma… Leia mais

4 dias ago

Sensor biométrico da HID é o primeiro a ter todos os requisitos de segurança da Colombia

A HID Global divulgou que o modelo de sensor multiespectral Lumidigm® V421-NC-01, recebeu no início de 2019 a homologação do… Leia mais

4 dias ago

Mozilla apresenta novo logotipo e estratégia para o Firefox

A Mozilla tem planejado uma reestruturação completa para a marca Firefox, e quando falamos em marca é justamente porque não… Leia mais

5 dias ago

Tema escuro na MIUI Android? Conheça os melhores temas

Apesar da MIUI ainda não contar com um tema escuro nativo, sendo este um recurso previsto para a próxima versão… Leia mais

1 semana ago

A ascensão dos ciberataques: os cibercriminosos estão no controle?

A cada ano, o número de ciberataques aumenta. Só em 2018 registrou-se aumento de 217,5% nestes ataques, se não conseguirmos… Leia mais

2 semanas ago

Utilizamos de cookies e outras tecnologias, para personalizarmos os conteúdos e a publicidade, oferecermos os botões sociais e analisar o tráfego